segunda-feira, novembro 28, 2005

Com amor,

...e se sorrindo eu disser deste coração vermelho
que ao teu toque se inflama e me atordoa
urgindo a intenção sem rumo certo?

...talvez da boca, a trama rouca
de uma fome desesperada e sem juízo
te censure, saboreie e se esparrame
prá depois anoitecer acontecido.

... e em teu peito depois, somente tua
enlaçar, desfalecendo nos tecidos
a abissal ternura dos teus dedos.

(* essa também é prá você)

6 comentários:

Rita disse...

Duas vezes suspiro, ai ai... a abissal ternura dos teus dedos... ai, ai... mas que lindo isso, moça. Que bom que vive os instantes assim.

Gui disse...

Tudo o que queria, encontrei..
Felicidade, amor e sonhos.
Pesadelos se foram,
Vieram satisafações
Do teu lado
Não me assustam os trovões
e os raios, ai meu Deus,
Iluminam, iluminam

Renata disse...

uma poeta! :)

Moacir Caetano disse...

uau!

JotaVê disse...

Lindo lindo... voltarei sempre, obrigado pelas palavras

Rocky Shade Metal disse...

Bem...
Estou aqui todos os dias, mas nem sempre tenho algo a dizer. Por isso nao comentei nos ultimos dias. antes não dizer, que dizer algo inútil.
(tá vendo, já falei bobagem...)