quinta-feira, dezembro 15, 2005

Por um triz

Balela.

Tantos finais guardados,
Ela sem final feliz.

Quis compor um poema
Livrar-se de um risco
Talvez ser atriz.
Achar um verso amassado
Tomar um sonho emprestado
Ser a mais bela
Meretriz e donzela,
nos sonhos do aprendiz.
Quis talvez o amor,
Grande telenovela
De um mal sem raiz.

Balela.

A vida toda era aquela:
Feijão com arroz, pão com pão
Cansaço no rosto,
Levando bem dentro uma cicatriz:

Vida dela, sem final feliz.

3 comentários:

Anônimo disse...

que sejam muitos finais então, e que seja ao menos um deles feliz.

moca
www.tequilasun.blogger.com.br

Renata disse...

Será que ela moça, será que ela triste, será que é ao contrário?
:)

Anônimo disse...

PALAVRAS QUE ENTRARAM EM MINH'ALMA.