sexta-feira, janeiro 27, 2006

Porque tantas vezes eu me sinto assim...

O derrotado invencível

Gigantes!
(Moinhosde vento ...)
Malinamandinga,
traçad‘espavento!
(Moinhos e moinhosde vento ...)
Gigantes!
seus braços
de açome
quebram a espinha,
me tornam farinha?
mas brilha
divino santelmo
que rege e ilumina
meu valimento
doído
moído
roído
perdido
curtido
morrido
eu sigo
persigo o lunarintento:
pela justiça no mundo luto, iracundo.

** (Imagem: Dom Quixote de Dali - poema de Carlos Drummond de Andrade)

Um comentário:

Renata disse...

Que bonito!
No seu mundo
Tem justiça
tem moinho
e duas dúzias
de sacos de pinhão
Que bonito!,
acredito
Em mundos
totalmente alternativos.