quarta-feira, março 29, 2006

Verso triste

Distantes dos meus dedos
Elas se reuniram em segredo
E foram dançar frente aos olhos
Descrevendo paisagem diversa.

Eu fui tão surpreendida que ainda não compreendo
O encantamento sutil, o feitiço mal, a traição da palavra.

Era apenas belo, metafórico o encontro,
e agora a mágoa vária formando lama.
E eu sinto, tanto.

Cortar as letras, transformá-las em pontos,
Cortar os dedos, calar esse choque de idéia e verso
Calar espantos e abrandar meus medos.

Fado Tropical
"Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto
De tal maneira que, depois de feito
Desencontrado, eu mesmo me contesto
Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intenção e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito
Me assombra a súbita impressão de incesto
Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadora à proa
Mas o meu peito se desabotoa
E se a sentença se anuncia bruta
Mais que depressa a mão cega executa
Pois que senão o coração perdoa..."
Chico Buarque/Ruy Guerra

5 comentários:

rocky shade metal disse...

minha guerreira.....
quando os versos ficam longe dos dedos, é porque tem sentimento demais em volta.
Solte-se disso.
A vida é muito mais.
Esteja próxima da vida que te espera.

Moacir Caetano disse...

"Ai, essa terra ainda vai cumprir seu ideal..."

Beanes disse...

você como poucas sabe como encontrar a rua das palavras, lugar onde as casinhas proliferam versos...beijos

Sr. N disse...

dançando se perdem e se acham, distante de si e perto de tudo.

Ricardo disse...

mesmo quando faltar verso,
mesmo quando faltar palavra,
mesmo quando faltar dedo...
vc ainda tem as pernas
eh só escolher o caminho certo :)