sexta-feira, agosto 18, 2006

Das palavras.

- É que eu gosto das palavras, sabe?
Palavras são peças
De um jogo de armar
Posso ter um castelo
Posso ser mesmo o elo
Unindo inverso
e o paralelo.
Bem semeadas,
palavras dão flor.
Quando empunhadas,
causam a dor.
Palavras megeras
Palavras queridas
Que vestem poemas
No baile das rimas.
Palavra é passageira -
No revés da mentira,
A palavra,
Palavra certeira.
Palavra é asa
aprendendo a voar.
Palavra menina
Cresce ligeira
E aprende a ensinar.

**Inspirada no que você disse, Bela Caleidoscópica.

16 comentários:

Marla de Queiroz disse...

A palavra é meu UNE-VERSO!

Beijos, Estrelinha Furtacor!

Bela Caleidoscopica disse...

Que coisa linda, queridaaaa!

Tua palavra pra mim é promessa
É dívida de gratidão.
É flecha de carinho
No vermelho-vivo do meu coração.

Rima pobre, amoreca. hahaha
Mas só pra te dizer isso.
Tá guardadinho, viu?
beijos beijos estrelados

paula disse...

As tuas palavras vestem-se facilmente de poemas, não é mesmo?
:)

Mendoscopia disse...

Me sinto até lisonjeada de ser presenteada com os seus comentários. Leves,palavras, rimas, doces versos...
Lindo seu poema, lindos sempre. Bate até calmaria depois da leitura, que aliás... eu degusto.

Jú Pestana

Leandro Jardim disse...

tua palavra cheira
perfume de nuvens!

beijardins

Lubi disse...

Palavra o que eu sei sentir.
Beijo, meu reflexo.

Múcio Góes disse...

tua pa-lavra em terra fértil, e faz qualquer dar flor.

bjo.

adorei o "baile das rimas". :)

moacircaetano disse...

lindo lindo...

pedro pan disse...

, palavra pra lavrar o texto. semeadura.
|beijos meus|

Paranóia HydropônicA! disse...

nuss... isso eh lindooooo!

Lindo meesmo!

Beanes disse...

e vc conhece muito bem os rumos das palavras belas.

Lubi disse...

Ah, acabou, flor. Só isso.

Keila Sgobi disse...

está cada vez mais gostoso viver certos contratempos...Tá ficando fera, hein, mocinha???

Sabe o que eu acho?

Que as palavras são o amor de quem não sabe amar e a arma de quem não sabe bater.

Beijos!!





...e nossa munição aumenta na medida em que somos...

Octávio Roggiero Neto disse...

As palavras são o intrumento do pensar, suponho. Elas, que ditam a extensão do olhar poético.
O poeta é aquele que as bem semeia, que as faz certeira e, por isso, queridas, enfim, é o que as faz transcendentes e repletas de sentido.
Rayanne, quão agradável a leitura de seus últimos poemas: trasmitem leveza e renovação paulatina. Deste casulo de esperança uma borboleta está prestes a adejar...
Leve amor... leve amor...
http://primiciaspoeticas.blogspot.com/2006/04/leve-amor.html

Gil disse...

olha que vendaval: http://docasoares.blogspot.com/

camila disse...

ô, mas eu gosto tanto desse teu canto aqui... me enche os pulmões, me brilha os olhos. um beijo e um abraço apertado, do tipo quebra costela.