quinta-feira, agosto 17, 2006

Incessantemente.

Incessantemente.
Incessantemente.
Insistentemente.
Repetidamente.
Essa letra
luz elétrica
Essa idéia
Sempre acesa
Essa fome
essa urgência
Tarde exposta
sobre a mesa.
Porque não cala
porque não quer
porque não pára
E me requer.
Sorrisos
Suaves
Semblantes
Rapidamente mariposa
Tresloucada choca
o vidro, a luz
idéia solta
insistentemente
repetidamente
incessantemente
Até que alguém socorra
e cole asas à poesia
do papel.

14 comentários:

Marla de Queiroz disse...

Sonoro, sensacional...
Fui escorrendo no corpo do seu poema enquanto lia.
Estrelas entrelinhas...
Bjs,
LINDA!

Múcio Góes disse...

incessantemente belo.

asa, poesia, papel...

bjo.

paula disse...

asas? eu, bati as minhas... :)

Nirton Venancio disse...

Rayanne, "colar asas à poesia do papel" é de uma imagem tão bonita... Um beijo incessante.

douglas D. disse...

descola as asas
o papel
voa

cra disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
cra disse...

jules laforgue. tem um livro da iluminuras chamado moralidades lendárias e outro não me lembro a editora chamado litanias da lua. é um poeta, antes de tudo poeta. frança. xix. assim como lautreamont nasceu no uruguai. influenciou eliot, pound, mais. escrita cínica, defino. morreu aos 27.

Bela Caleidoscopica disse...

Rayanne querida,
eu amo as palavras, mas elas amam a ti!
Que coisa mais fluida e linda!
Sons, idéias e imagens encantadoras.
É consenso, entre eu e Marlarida, a beleza absurda de suas palavras e o quanto elas nos calam, lá dentro, fundo e ficam...Às vezes nem nos deixam nada mais a dizer.
Beijos encantados

Valéria disse...

leitura musicada...li assim...como uma música de atabaques...
beijo

A czarina das quinquilharias disse...

inesperado...a pequena poesia que se debate....
ah, juju, seus comentários sempre me botam lá em cima!!

Nirton Venancio disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lubi disse...

Poesias já nascem com asas. O ar, o céu somos nós.

Keila Sgobi disse...

Abre a Janela, amor!!!!!

Idiossincrasia'S disse...

... sentimo-nos - às vezes -
corpos
de asas quebradas.
E somos - sempre - maiores que corpos e asas.