terça-feira, fevereiro 06, 2007

Distante.

E lá embaixo, sob os pensamentos aéreos
Rios de brilho riscando minha carne verde.
Arbórea, etérea, eu escorri montanhas,
depois me despi de verde e ergui versos concretos ao céu.

Mas,
o chão e o toque, o profundo silêncio da realidade.
O ar fervente cavando bolhas nos poros.
As coisas todas que a gente sente,
os olhos que se encontram e fogem, mãos não relaxam.

Cheiro agreste,
Sabor incandescente de erro ou desvio, corrente.
Dia amanhece na chuva, as sensações caminham pensativas.
Todo o desaprender de certezas.
Sem saber por onde,
eu vento
eu volto
eu penso
e calo.

12 comentários:

Fejones disse...

E o mundo consente

diovvani mendonça disse...

Que suas sensações continuem a caminhar pensativas, pra que eu possa colher sempre sua poesia. Obrigado, vou levar essa pra casa.
MontanhosoAbraço.

Lubi disse...

E você me fazer ler, reler e descobrir novas interpretações nas entrelinhas.
Saudade enorme de você.

Recebeu meu e-mail?

Beijo,

czá disse...

it´s only...natural.
:*

Leandro Jardim disse...

Ô minina, que coisa bonita!

mas tristinha...

desaprenda também as certezas
do aconchego das tristezas
e ao invés de calar e franzir
exiba seu belo sorrir
e como é belo...

hehe

beiJardins carinhosos

Luzzsh disse...

...Mesmo que caminhem pensativas, o importante é que as sensações caminhem...

MBonito que só!....

Bjs...

Juliana Marchioretto disse...

verde é a cor mais inspiradora...

.. não cala não..

beijo

Múcio Góes disse...

vento
ventania
tempestade

verso
vida
verdade

você.


bjosss!

RicardoPalacio disse...

dai...
quem eh voce, entao?
quem eh voce, agora?

:)

diovvani mendonça disse...

Deve ser por isso, que hoje bem cedinho, mais de um sabiá cantou.
Abraço das montanhas.

moacircaetano disse...

nossa!
mais algumas leituras e talvez eu consiga apreender tudo o que há nessas linhas!
Belíssimo!
Beijos!

paulo vigu disse...

É. A Poeta me pendura na entrelinha desse texto, porque me encaixo. Porque montanhas escorrem aqui, porque aéreo, agreste, corrente, de sensações. De saudade também de você. Beijo desce na água corrente. Riodaqui/Paulo VIgu