quarta-feira, maio 30, 2007

Da espera febril.

A lua doendo o céu
e geando incertezas.
Ardências azuladas escrevendo em pele
o recado familiar de esperas.

E está alí, a dez passos impossíveis,
ao alcançe intangível da razão.
Mas saber-te.
Ao sabor doce e denso que nunca
- Nunca -
Cavalgou a língua
Tropeça desejo em minha insônia.

Picante assim escorre a pele
- Febre -
Onde segredado está o amor.
É assim saber-te:
Vulto, vão
vil, visco
vário, vilão:
E o olho agarrado no teu passo lento
Cisco
De quem não tem pressa de chegar.

12 comentários:

Alê Namastê disse...

Eu que odeio esperar, gostei muito do texto.

Ju disse...

Oi, menina das lindas palavras!!

Muita saudade de vc...
Gosto de vir aqui e ler teus escritos.
Beijos

Múcio Góes disse...

cheguei, nas asas da demora, sao e salvo.

saudadaqui, de ti, e tao.

bjssss

Minha Super!

douglas D. disse...

sem pressa alguma...

Lubi disse...

E quando a gente espera, o tempo não passa. O hoje é sempre hoje.

Amo. Um monte.

Beijo.

Leandro Jardim disse...

Eita poema bom! Arre!

gil disse...

Sensacional mesmo, as palavras todas cabendo certinho.
Beijo.

Sandra Regina de Souza disse...

Direi: Sensorial!
De arrepiar qualquer dicionário, fazendo tudo por aqui revirar quente e gelado, como o doce e ácido do sentimento contraditório que me acompanha! Amei essa sensação pungente!
Beijos iminentes de quem está deixando um porto inseguro para ancorar ao lado da estrela!!
Me aguarde!

Antônio Alves disse...

Até quando esperar esse vilão? Talvez até a febre acabar.

Abraços
Antônio Alves

Keila Sgobi disse...

é a paixão que caminha
arrastando o desejo em sua cauda incandescente
cometa lento aquecendo o peito
pela alma triste que na escuridão caminha...

saudades das leituras de suas vindâncias!

bjs

diovvani mendonça disse...

A lua pode até estar geando incertezas... E você, não perde a mania, de gerar poesia que, de tão belas, doem nos ossos do esqueleto das minhas idéias.

Independente da nossa vontade, esperas... Fazem parte do caminho. AbraçoDasMontanhas.

Beanes disse...

vc e seus versos são mesmo lindamente arrebatadores!