sábado, junho 30, 2007

Tão longe.

Porque você passeia as idéias macias,
meu segredo,
Caminhando a memória de imagens
no verso do sorriso.
Agonia branca parte muda
E encerra um sonho em seu abraço.
Sono de distâncias,
Abrigo invisível de estar deserta.
A letra cala
O silêncio opressivo do branco
E enquanto
Estremecer minha rima,
doce,
Espero.

**com rumo.

9 comentários:

paredro disse...

.
Não quero me frear com rimas pois sou livre.
Preciso que as palavras não cantem, para não ficar sem ritmo.
Se rimo, perco o prumo e fujo do rumo.
Escrevinho sem rima, mas com rumo e ritmo.
Não me interessa rimar a vida como muitos fazem.
Não porque não goste, mas porque não me basta.
Ir além da rima e
mergulhar no rumo das coisas.
Desse jeito, sem rima, mas com rumo, vou.
Quando eu estiver sem rumo, aí sim, de-me a rima.
.

Beanes disse...

Verso que se preze
É verso azul
Com ou sem rima rica
Já que a riqueza não está na combinação
E sim, no sentimento que ela expressa.

Verso que preze
É verso azul
Que rimam com branco, com rosa, com verde...vermelho
Já que cor, é aquela que me satisfaz
A preferida.

Verso que preze
É verso azul

É verso!

Reversos de vida!

Rafael Velasquez disse...

passando por um contra tempo...

Thata disse...

menina bonita, queria seu e-mail pra te fazer um convite. Vc me passa?
bjim
Thata

diovvani mendonça disse...

Que toda distância, se torne curta, para cair no seu abraço. Gostei muito em saber das boas novidades. AbraçoDasMontanhas

Múcio Góes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Múcio Góes disse...

rimas
entre
ramos
plenas
de
planos
vezes
de
luzes
vão-se
os
danos.


minha Super.

bjo.

Antônio Alves disse...

O poema é cheio de termos-chaves que encerram a qualidade solitária: branco, deserta, silência, muda, verso. E finaliza com a passividade diante do nada. Há braços!


Antônio Alves
No Passeio Público
Postagens às quartas e domingos

cra disse...

o primeiro propósito. mesmo.