segunda-feira, agosto 27, 2007

Da manhã silenciosa.

Eu me tansfiguro em silêncios tensos:
Roucos, nulos, tantos
Transpasso, transverso, transcendo.

Guardo intensidades sob a pele fina do sonho,
A um instante do sol que arde os olhos.

E me transfiguro em silêncios:
Verbos novos
Devoram a luz da manhã.

7 comentários:

Lubi disse...

Quero notícias suas. Urgente.

Um beijo.

diovvani mendonça disse...

A estrela, mergulhou no silêncio, da luz da manhã? ~ ~^~Abraço~~^~^ ~

Ácido Poético disse...

Estava com saudades daqui, das suas letras. Mas estava ruim pra conseguir comentar.
Mas eu leio você em silêncio, será que vc sente?

beijos
Brunø

Lubi disse...

Pra deixar um beijo, querida.

paulo vigu disse...

Daqui vejo o resto do dia deixado na tarde por verbos devoradores. Riodaqui ao mar - Beijo - Paulo Vigu

Jefferson de Souza disse...

Um dia, hei de reaprender a apreciar o silêncio...

Leandro Jardim disse...

belo... de engolir seco!


beijardins estrelados
na estrelin desse lado