quarta-feira, março 26, 2008

Dentro da linha.

Verso me vive
Inventa a vez,
Destila a voz.
Vacina fez
De duvidar,
Feroz.
Verso me vive
No vácuo do vôo
Anulo o solstício,
Engulo, entôo,
Um verso físico
Prá me lançar na foz.
Verso me vive
Vicia o cio
Morde na risca
O que não perdôo.
Verso me vive
A singrar as sínteses,
Verbalizando a dor.
Verso me vive
E em rimar
insiste a cor.

5 comentários:

Lubi disse...

Ah, minha poeta.
Linda.

Um beijo.

Múcio L Góes disse...

verso te vive,
e feliz eu,
que tanto te tive.

e tenho.

bjo, flor.

guelzinha disse...

Pétalas que voam me trouxeram até aqui...
Adorei, virei mais vezes!

vanessa disse...

vida de poeta...poesia é!
te convido para uma visita: www.vanessacamposrocha.ziop.net

Vanessa

camila disse...

vc rima como se o fizesse desde que aprendeu a falar, estrela. eu de cá brilho os olhos...