terça-feira, setembro 23, 2008

quinta-feira, setembro 18, 2008

Emergente

Contra tempo
Encontre tempo
De a ré, invente
Faço de novo
Um poema
Diferente.

Contratempo
Econtra a gente
Prá sorrir
Até o dente
E se comovo
É nova mente.

Contra tempo
Entre e tente
Contraprovo
Que alegria é
Ex-poente.

segunda-feira, setembro 08, 2008

Dos rumos.

Tinha esses dias guardados como se fossem imprescindíveis. Veio o vento, o amanhecer do outro dia, uma folha que caiu, uma curva que mudou e nenhum rumo mais se encontra perto daquelas esperanças urgentes de ontem. E as coisas pareciam ser tão mais precisas. Eu continuo assim completamente densa, mas as coisas me atravessam cada vez mais líquidas. O pensamento segue assim, fluido, se ajeitando às expectativas. Você mudou minhas repostas e o trilho dos meus versos. Sim. Eu quis, ardi trançando a espera dessa incandescência, e agora os pêlos sentinelas temem o aconchego das tuas mãos. É que o sempre tem uma sombra tão comprida, e essas curvas que não me deixam ver adiante. Eu, que sempre fui de horizontes. Mas eu vou conversando com as distâncias e elas me falam de tantas possibilidades, de sorrisos intensos como essas palavras, de lágrimas temperadas de tanta história, que eu quase posso provar o sabor dos próximos capítulos. Mas as nossas pegadas é que vão ditando os próximos parágrafos. E entre uma vírgula que ficou engasgada e as reticências que não me disseram nada, balanço entre exclamações buscando pontuar nossas encruzilhadas. Deve ser assim, esse tamanho todo que eu queria. Fecho os olhos e sinto tua palavra macia roçando meu cabelo, mergulho os dedos e posso sentir teu amor colorindo a minha pele. E quando eu sinto um sorriso eu abro os olhos e quase posso ver a vida, ventando nas cavalgadas, passando rápido quando a gente é feliz.

quinta-feira, setembro 04, 2008

Sem estrelas...

Perdoem essa minha falta de estrelas,
Mas é que a noite desceu tão, mas tão escura.....