segunda-feira, outubro 20, 2008

Abraçando, ainda.

Poesia pode ser uma tentativa de abraçar o mundo com palavras.

8 comentários:

Paula Calixto disse...

Sim, sim!

Beijos e há-braços de letras.

RicardoPalacio disse...

E o mundo, o que faz disso?

Ah, o mundo sorri um versinho de canto de boca.

:)

Jéssica disse...

São elas que me acariciam e me acalma!

Adorei o blog.

Beijo doce na alma ;)

A czarina das quinquilharias disse...

e, como ele continua girando, vira casulo?

bjos!

A czarina das quinquilharias disse...

e, como ele continua girando, vira casulo?

bjos!

Phillipe Lima disse...

Tal é o mundo!
Rolar, correr,
subir, descer.
Vidro rotundo
sonoro e ouco,
a pouco e pouco
fendas a abrir.
Aqui brilhante;
lá coruscante;
sempre cambiante,
sempre a fugir.
Fala-te um ente,
qual tu vivente,
qual tu mortal.
Evita, amigo,
esse inimigo
mundo fatal.
Crê-lo maciço,
e é quebradiço
como cristal.

Rayanne disse...

Eu digo apenas,

Tem coisas de mundo
E outras, pequenas
Só mente
A verdade que diz
De repente e sozinho
Feliz.
Uma vez que nessa vida,
Se há rima, que rica,
Consinta
O par, prazer (ser).
Então repito, apenas
O tempo,
O tempo,
O tempo,
Que eu reconheço
A ponta afiada dessas angústias
(Traguei na alma o escarlate
das arrogâncias)
E as coisas grandes voltam serenas,
Outras talvez voltam pequenas,
E o mundo, mundo,
Que vasto era,
Cabe depois,
Quando finda a espera.
É que não há ponto
Nessas estórias,
Começo e meio
As tentativas,
Os sorrisos que cremos,
E nossas memórias.

**Estrelas, poeta**

chaotic queen. disse...

por vezes me faltam tantos braços.