domingo, dezembro 28, 2008

Poeiras, poemas.

Soul
Pó & SIA.


**Queridos....
Devido à interpretações "erradas" que me façam aqui, explico:

Pó & SIA = Po E SIA, por isso SIA com "S".......ai, ai.

terça-feira, dezembro 23, 2008

A janelinha.

Hoje me abriu um vazio e um silêncio,

As mãos ausentes das tuas,

A falta daquele abraço de natal tão familiar.


Já faz um tempo, vó, eu sei.

Mas é que os teus ensinamentos seguem

Setas do meu caminho,

Passos de caminhar.


Doeu um bom tanto a saudade.

Aí busquei no céu,

Uma janelinha pra te abraçar.


**Para minha avó, que voltou a ser anjo num dia 23 de Dezembro de alguns anos atrás.

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Mínima

Resumir
Redesenhar
Definir
Até restar
apenas
Sentir.

terça-feira, dezembro 16, 2008

Verborragia.

Um balde,
por favor.

As palavras, sumarentas,
fogem da garganta, às golfadas.

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Dos escritos.

Sol_letrar o verso,
iluminar o vórtice
Desse escrever
Que é vício.

Verso, meu vício
do amor, ofício.

terça-feira, dezembro 09, 2008

Insistente.

Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Bate.
Entre hematomas,
meu coração celebra a vida.

quarta-feira, dezembro 03, 2008

Adaga.

Dar fio às palavras,
ver luzir na superfície
a (cor)tante das verdades.

Dar fio às palavras,
dividir o silêncio ao meio
reverberando as coordenadas.

Dar fio às palavras,
perfurar os tímpanos
com a lucidez das metáforas.

Dar fio às palavras,
colorir os versos que ainda eu risco
e tingir de sangue as declarações de amor
cortar a garganta das censuras
e aclamar os verbos,
desafi(n)ar a dor.

Dar fio às palavras,
Alinhar as sílabas,
De_compor.