quarta-feira, abril 22, 2009

Deboche.

Quisera ter sorte no jogo...
Mas foi me azarar,
O amor!

quinta-feira, abril 16, 2009

De longe.

E que seja certo
Esse estar sempre
Esse querer incerto
Esse amor fluente
De querer-te bem
Sem saber-te perto.

segunda-feira, abril 06, 2009

Do amor à poesia.

Cravar os dentes bem no cerne das palavras
Saborear as palavras picantes cavalgando a língua
E lambuzar-se de doçuras.

Embriagar-se das mentiras mais sinceras,
Absorver-lhes o inebriante veneno.

Tomar da poesia em goles grandes e fartos,
deixá-la escorrer pela pele, cobrindo o colo,
a voz, a vez, o sexo.

Saciar papilas, reverberar cordas laríngeas,
Adensar a alma espremendo-a palavra adentro.

Palavras são fragmentos da alma encapsulados.
Quando poesia, dipostas em harmonia de versos.