segunda-feira, agosto 24, 2009

Das traições.

É intimamente
que intima
e mente
o traidor.

segunda-feira, agosto 17, 2009

Das caçadas.

Em silêncio,
caça.
A fala,
faca.
Entredentes:

Faça.
Caça dor,
Mata.

quinta-feira, agosto 13, 2009

IMPORTANTE!!!

">

Carta Aberta aos Artistas Profissionais

E Cidadãos Curitibanos

Há algumas décadas que a maioria dos profissionais de Arte, incluindo produtores culturais, não tem acesso democrático à agenda, aos projetos, e às verbas destinadas para a promoção da cultura, da arte e, sobretudo da música popular em nossa capital.

Após a criação do ICAC – Instituto de Cultura e Arte de Curitiba – na gestão do prefeito Cássio Taniguchi, aí é que “o bicho pegou de vez” para usar um dito bem popular, Tal Instituto é encarregado de gerir as verbas públicas repassadas pela Fundação Cultural de Curitiba – orçamentos, fundos de cultura, etc.- e também é responsável pela programação das unidades – teatros, auditórios, salas de concerto, Conservatório de MPB – e dos logradouros públicos: parques, ruas da cidadania, etc.

Em outras palavras trata-se de uma privatização “legalizada” da Cultura em nossa cidade.

Se jamais tivemos uma política cultural democrática, agora temos um corporativismo descaradamente instalado; pois grupos e pessoas são favorecidos “institucionalmente”, obstando a participação da maioria de artistas/cidadãos que pagam impostos, produzem e contribuem para a afirmação das nossas potencialidades artísticas, notadamente a Música.

Falo “de cadeira”: há pouco tempo fui barrado – juntamente com outros profissionais – no edital “Música nos Parques”, cujo trio de “jurados” adotou a seguinte estratégia: exemplo; dar mínimas notas em itens como ‘currículos dos envolvidos’. Pois é, no meu grupo - além da minha ‘bagagem’ de 33 anos de carreira profissional, havia a participação do baterista Negretti – por volta de 40 anos de profissionalismo – e o Joãozinho do Pandeiro: em torno de 30 anos. Nos outros itens o absurdo do “julgamento” ou “avaliação” se repetiu. Logicamente favorecendo concorrentes que se alinham por interesse direto ou indireto às ‘benesses’ da “classe” e do poder constituído. Observo aqui que tenho prova (cópia assinada) do citado procedimento.

Então, acontece que, na sequência dos fatos, envolvidos nestes editais como “jurados’ ou não, “artistas” ou não, participam de vários projetos selecionados em vários editais diferentes, quando não têm projetos próprios aprovados ano a ano.

Este é somente um exemplo do que ocorre nos bastidores. A cena está aberta: é só constatar quais os cidadãos que estão aí sempre “aprovados”, sempre “produzindo”, sempre “coordenando” ou “dirigindo” algum projeto.

Também se pode constatar que alguns teatros estão praticamente ‘arrendados’;


Precisamos informar, divulgar e discutir sobre essa realidade; precisamos agir. Não é a chamada “autofagia” curitibana ou paranaense o cerne das nossas questões, mas a consciência política sobre o nosso papel enquanto artistas e cidadãos; sobre a realidade que nos cerca; e sobre a função transformadora da arte.

Àqueles que comodamente diriam: “ por que esse cara (ou esses caras) não disse (disseram) ou propôs (propuseram) isso antes?” – vai um recado: há quase 30 anos isso foi dito e proposto e denunciado; e mais algumas indagações: e vocês, por que jamais desviam o olhar do próprio umbigo, ou preferem o discurso dos “sabonetes”, ou, enfim, jamais sequer tocam no assunto? Pois é, sirva a carapuça a quem servir; o importante é que o coro dos descontentes aumente, e ele está aumentando dia a dia.

Não proponho nenhum movimento ou coisa que o valha; mas se tivermos mais contato e discutirmos tudo isso já haverá um significativo avanço para atitudes e ações de urgência.

Finalmente, observo que encaminharei esta carta para autoridades, políticos e demais cidadãos interessados.

Se lhe interessa mudanças para o benefício da Arte e da Cultura em nossa cidade, adicione seu nome, profissão, identidade e contato a esta mensagem e repasse-a. Estaremos à disposição também nos fones: (41) 33193252 – 9133.3252;


Ronald José Magalhães

- Músico, arranjador e produtor cultural -

Id: 679.445-9 –SSP-PR

sexta-feira, agosto 07, 2009

Go Star.

Ficam nisso de go star!
E eu aqui sem pressa,
Penso apenas em star...


**ahahaha...não resisti...



quarta-feira, agosto 05, 2009

Picante.

Dar voz à chama

Que me chama no ouvido

Inflamar a cama.