segunda-feira, setembro 28, 2009

CONTINUIDADES.

Em alguns momentos
De silêncios represados pelo instante
Reconheço meu pai
Nos gestos das minhas mãos
E reconheço minha mãe
Na cor apaixonada das minhas letras.
Respiro fundo,
Ser humano feito de retalhos.
Da persistência nas passadas
da minha avó
Na intensidade de amar
Do avô que eu não conheci.
Eu.
Fragmento de fragmentos
Carrego no ventre a inquietude
Das sementes que um dia
férteis de futuro,
Poderão unir versos e
horA(s)ÇÕES.....

7 comentários:

Marcelo Mayer disse...

e de algum beijo ou abraço me calarei...

lindo!

segredosefabulas disse...

que lindo.
a poesia da vida...
o retrato da alma...

Ianê Mello disse...

Linda poesia! Gostei da construção das palavras, da cadência. Profunda e lírica, pura expressão da alma do poeta. Um abraço.

Alexandre Beanes disse...

NOSSA SENHORA!

fabio jardim disse...

pra mim, o mais marcante foi na soma de tantos ascendentes aparecer de súbito você no verso "Eu.".

Thales Capitani disse...

.

A árvore genealógica mais poética que encontrei...

Phillipe Lima disse...

Acho deslumbrante (e às vezes igualmente dolorido) encontrar silhuetas alheias em nosso reflexo.
Belo poema.