quarta-feira, maio 05, 2010

Artista.

Se atreve
Os dedos emaranhados
Entre o nascer do sol e a tempestade.

Se atreve,
A vida cavalgando mergulhos
Na boca do estômago aberta em susto.

Se atreve:
O azul tingindo as pupilas,
A exposição colossal do artista.

Se atreve...
Rubra boca
Numa prece que não se acabe
Esse mundo, essa vida, essa sensação tão louca.

Se é febre,
Veste os delírios.
Que o tempo é curto, e avida tão pouca.

Se eleve,
acima do cansaço, das vertigens, da fumaça
Onde Ele pulsa, derramando as cores

Obra perfeita onde pixamos dores.

7 comentários:

Joana Masen disse...

Somos os pintores de nossas vidas, usando as tintas que Ele derrama obre nós.
Bjos!

Nirton Venancio disse...

Banhando-me com sua poesia atrevida nesta manhã de quinta-feira...

LIVRE disse...

Nada como ser atrevidamente livre !!! Bela poesia !!

TERRAS DE NENHÚ disse...

ARTISTA. MESMO.
AMO!

J.F. de Souza disse...

são artistas
por isso invejo as crianças
por isso invejo os artistas
são crianças

-----------------------------------

Rayanne, linda! Isso tá PERFEITO!!! =D

Luzzsh disse...

Amiga linda longe-perto!

Estive fora [de mim]. Ausente da poesia. Ano difícil. Passou. Volto com saudade e sede dos blogs amigos...me delicio por aqui. Como sempre. Como antes.

Beijos,

www.ocarmim.blogspot.com

maybe disse...

like ur writing style..it's the real deal. just keep on writing...