quinta-feira, setembro 30, 2010

Das metades.

Isso de querer rasgar o coração na metade
E viver duas metades num mesmo tempo.
Isso de ser duas e não ser nenhuma,
De querer bem e fazer mal,
Isso de não saber comum,
Isso que não é normal.

Isso de alinhavar o destino com linhas de esperança,
Esperança de reencontrar o caminho fundo
Que as raízes que eu tenho buscam dentro.
Isso de precisar voltar sem ainda ter ido,
Isso de sentir que meu sentir é partido,
E que não encontra lugar.

Isso de querer ser inteira e uma contigo
E sentir que pulsam quentes 
as veias ramificadas
que comigo divido.

Isso dói.

2 comentários:

TERRAS DE NENHÚ disse...

Então vai
sem nunca ter ido
pois amor
nós repartimos

PapoPoetico disse...

Escrever é muito bom, se você gosta, talvez se interesse por:

http://papopoetico.blogspot.com/

Tudo de bom