terça-feira, abril 24, 2012

Nada sei.

Por ignorância
Tornei-me curiosa.
E hoje, quanto mais eu vejo
Mais perguntas me assaltam,
Mais vazios me tomam,
Cada vez menos sei.
Sinto apenas
Que a cada venda
Se descortina a razão,
E talvez um dia eu fique
Nua de existência.
Completamente pura,
E consiga ser
Ao invés de tentar
Apreender.