quarta-feira, agosto 22, 2012

No Topo do Tempo...ou...EM CASA.


RespirAR
O ar leve da manhã
O breve aqui
Efêmera matéria rosada das manhãs
RespirAR
BreveIDADE arrepiando a manhã
Neste lugar
Tão IN
Nada tenso
Denso
De brevidades
Onda viva Onde
Anda a manhã
Ainda mais bela que a madrugada:
Respira: AR.
Passar os olhos sem pressa
Pelo verde desafio da serra
Sentir o perfume do mato
Ouvir os sons do silêncio.
Tirar os sapatos, despir o urbano,
E lentamente me infiltrar na terra:
Ao invés de âncoras,
Lançar de volta as raízes...
Em casa.

Um comentário:

TERRAS DE NENHÚ disse...

Então Bem Vinda!
Ao pródigo tempo
Acamar as raízes,
deixar correr a chuva
e rebrotar...